Horário: : Segunda a Sexta das 9h às 19h
  Contato : (11) 3812-9492 - (11) 3097-8430

Métodos ginecológicos

Coletor menstrual: vantagens e desvantagens

A novidade que pode dar mais liberdade à mulher

O copo, como é conhecido o coletor menstrual entre as usuárias, vem ganhando novas adeptas a cada dia. Considerado um absorvente interno, o método é seguro, higiênico e pode ser encontrado no mercado com facilidade. Em geral, é fabricado em silicone ou TPE, um tipo de plástico utilizado na produção de cateteres e implantes médicos. Ambos os materiais não favorecem a proliferação de fungos e bactérias. O coletor também é produzido em diferentes tamanhos.

Introduzido na vagina, o coletor acumula o sangue menstrual em seu interior e deve ser esvaziado de duas a quatro vezes ao dia dependendo do volume do fluxo menstrual. O produto pode ser usado durante a noite e recomenda-se que seja higienizado em água fervente por cinco a dez minutos no início ou ao final da menstruação. Durante o período menstrual, a limpeza com papel higiênico ou lenço umedecido ou a lavagem em água corrente são suficientes para garantir a higiene do copinho, que precisa ser armazenado em ambientes ventilados e trocado a cada dois ou três anos. Parece prático, não? E esse é um dos pontos positivos do método. Veja outras razões que provocaram a sua popularização.

Vantagens

Como um bom absorvente interno, a primeira delas é poder usar piscinas e tomar banhos de mar durante a menstruação. Segundo o ginecologista Gustavo Luiz F. Kesselring, “as pacientes que estão fazendo uso do coletor referem uma diminuição do odor menstrual”. Esta melhora explica-se pela localização do copinho: “o odor da menstruação é provocado pelo contato do sangue com o ar e, como o coletor se encontra no canal da vagina, onde a entrada de ar é menor, a produção de odor é diminuída”, esclarece o médico. Outro ponto positivo é que o uso do copo permite à mulher um contato mais íntimo com seu corpo, passando a conhecê-lo melhor.

Os benefícios do coletor não se restringem ao bem-estar de quem o adotou; por ser reutilizável, o copinho insere-se no rol dos absorventes ecológicos, gerando descarte de lixo muito inferior ao do absorvente higiênico – estima-se que uma mulher use 11.000 deles ao longo da vida. E os custos dessa alternativa sustentável não são menores apenas para o meio ambiente. O valor investido na aquisição do copo menstrual pode ser compensado em médio prazo e a durabilidade do produto é alta, o que representa uma economia para a usuária.

Desvantagens

Ainda de acordo com o ginecologista Gustavo, um dos pontos negativos do coletor é a possibilidade de vazamento. “Se a mulher estiver muito lubrificada ou com a menstruação mais intensa, o copo pode deslizar e provocar uma mancha discreta na calcinha. Se isso acontecer, haverá a necessidade de usar um absorvente higiênico”, orienta o especialista.

O inconveniente do vazamento, porém, está presente em outros métodos para absorção do fluxo menstrual e, no caso do coletor, pode ser evitado com alguns cuidados, como a verificação da posição do copo, contornando-o com o dedo em torno da borda ou puxando levemente seu cabo.
Uma segunda desvantagem diz respeito às virgens. O copo não deve ser utilizado por elas devido ao risco de rompimento do hímen, membrana existente em mulheres que não tiveram relação sexual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + 1 =